• O BNDES APOIA OBRAS NO EXTERIOR?

  • 1. Com tanta carência no Brasil, por que o BNDES apoia obras no exterior?

    Por várias razões. Vejamos algumas delas:

     

    Em primeiro lugar, o apoio a obras no exterior gera retorno em moedas fortes (dólar ou euro) e o Brasil é um país que historicamente sofre com falta de acesso a essas moedas. O BNDES desembolsa em reais para as construtoras brasileiras e depois recebe o pagamento em dólares durante o prazo do financiamento. Em resumo, apoio a obras no exterior significa exportação de serviços brasileiros.

     

    A segunda razão é que essas obras têm impacto na cadeia de fornecedores das construtoras localizadas no Brasil. Isso significa geração de emprego e renda no Brasil.

    No Brasil, não é diferente. São apenas quatro as principais empresas que participam deste setor. A Odebrecht é a líder. Sua participação nos financiamentos à exportação do BNDES equivale a sua participação nesse mercado.

     

    Dentre as empresas de engenharia brasileiras, três grandes são responsáveis por 96% do total de bens e serviços de engenharia exportados. Na Alemanha, por exemplo, ocorre a mesma coisa. A principal empresa responde por 76% do mercado e as três maiores, por 96%.

     

    Importante também lembrar que as exportações de bens e serviços apoiadas pelo BNDES entre 2007 e 2014 movimentaram uma cadeia de 3.528 fornecedores no Brasil, sendo 2.745 micro, pequenas e médias empresas.

     

    Além disso, quando um país alcança a capacitação para realização de grandes obras de infraestrutura como o Brasil alcançou (algo que não é fácil, nem comum entre países em desenvolvimento) é importante manter essa capacidade em operação. O BNDES apenas empresta recursos. Para que esses recursos sejam empregados é fundamental que alguém acredite que há emprego lucrativo para eles. E como a atual recessão tem mostrado, essa disposição flutua ao longo do tempo. Se nossas construtoras forem exportadoras elas tem mais flexibilidade para compensar a queda de demanda interna com obras fora do Brasil.

     

    Finalmente, o Brasil é um país continental com fronteiras com vários de seus vizinhos. Essas conexões regionais na América do Sul ainda encontram-se largamente inexploradas. O BNDES deu apenas os primeiros passos nessa direção, mas é um instrumento que pode ser colocado mais prioritariamente a serviço dessa missão. Há um conjunto importante de obras de infraestrutura que permitiriam aumentar o comércio regional e racionalizar a utilização do potencial energético da América do Sul. Essa é uma agenda fundamental para o futuro do país.

  • 2. O Brasil deu dinheiro para Cuba, Venezuela e Angola?

    Não. O BNDES participa do sistema brasileiro de apoio às exportações, junto com Banco do Brasil, Tesouro Nacional e Secretaria de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda, coordenados pela Câmara de Comércio Exterior (CAMEX) - composta pela Casa Civil, Ministérios das Relações Exteriores, Fazenda, Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Indústria, Comércio Exterior e Serviços, e Planejamento.

     

    As empresas brasileiras exportadoras estão entre as mais competitivas do país. E estão concorrendo com empresas exportadoras do mundo inteiro. Em geral os países dispõem de instrumentos exclusivos para apoio às exportações, as chamadas Agências de Crédito a Exportação (ACE). Em alguns países o sistema é ainda mais sofisticado, havendo entidades especializadas no crédito à exportação e outras no seguro de crédito.

    Para ilustrar seguem alguns exemplos de países com Agências de Crédito e Exportação: EUA, Reino Unido, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, República Tcheca, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Israel, Itália, Japão, Coreia do Sul, Letônia, Luxemburgo, México, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Polônia, Portugal, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suécia, Suíça, e Turquia.

     

    Empresas brasileiras de engenharia como a Odebrecht, Camargo Corrêa, Andrade Gutiérrez, Queiroz Galvão e OAS estão presentes em vários países do mundo. A Odebrecht, por exemplo, fez a ampliação e modernização do aeroporto de Miami. Nos EUA a Odebrecht tem crédito de bancos americanos. Não precisa do BNDES. 

    O BNDES faz a diferença em mercados como África e América Latina, onde há escassez de recursos locais, risco mais alto (político e comercial) e o financiamento externo (e as suas condições) torna-se uma das variáveis determinantes (ao lado das competências técnicas e empresariais) para o sucesso das empresas brasileiras nesses mercados.

    Os mercados da África e América Latina em particular estão sendo disputados de forma agressiva por empresas de outros países, com destaque para chineses e espanhóis (cujas empresas recebem fortes incentivos dos seus Estados; muitas vezes oferecendo condições financeiras agressivas como juro nominal zero e dispensa total de garantias).

     

    Vale ressaltar que nenhum dos países questionados até o momento ficou inadimplente com o BNDES. Cubanos, angolanos e venezuelanos vem cumprindo firmemente suas obrigações com o banco.

     

  • Tem alguma dúvida, sugestão ou crítica?
    Fale com a gente!